Untitled
Seja +
Seja +

Artigos sobre relacionamento

Me apaixonei pelo meu amigo. E agora?

Me apaixonei pelo meu amigo. E agora?
Vocês se conhecem há tempos, têm um relacionamento muito legal, confiam um no outro e até contam as aventuras amorosas que vivem, em seus mínimos detalhes. Consideram-se praticamente irmãos, saem sempre juntos, compartilham amigos, segredos e sonhos.

Um baita privilégio ter alguém assim por perto, com quem a gente se dá tão bem e, principalmente, com quem pode contar para o que der e vier! Amigo é mesmo “coisa para se guardar debaixo de sete chaves, dentro do coração...”, como tão lindamente canta Milton Nascimento.

Porém, contudo, no entanto... num belo dia, sem que você esteja contando com isso, olha para essa pessoa e sente que ela está muito mais dentro do seu coração do que você imaginava. Tão dentro que o faz acelerar, bater descompassadamente. Tão forte que faz você suar frio!

Assustada, confusa, você se pergunta: o que é isso? O que está acontecendo comigo? Será que to ficando maluca? E de repente, “cai a ficha”! Sim, você está apaixonada pelo seu amigo! E a primeira e constante pergunta que se faz agora e pelos próximos intermináveis dias, é: e agora?

Bem, se a recíproca for verdadeira e os dois se derem conta de que a amizade está pedindo algo ainda mais íntimo e intenso, e se os dois estiverem solteiros e desimpedidos, então não há o que se perguntar. Penso que é hora de conversarem sobre o que estão sentindo e, da forma mais sincera e espontânea possível, aceitarem esse convite para viver esse amor tão amigo, que pode mesmo ser pra lá de especial!

Mas, se o ritmo dessa relação mudou só para você; se seu amigo não dá indício nenhum de que o sentimento dele também está diferente, então é mesmo prudente refletir a respeito. Se, por um lado, você pode tentar conquistá-lo, mostrando que já existe entre vocês um cenário bastante promissor, por outro, tudo isso pode significar um grande risco.

De todo modo, penso que problema mesmo existe quando um dos dois é comprometido e pretende continuar assim. Daí, para o caldo entornar e a amizade desandar é um perigo! Sem contar que é quase certo que conflito, frustração e dor vêm pela frente, seja porque um dos dois vai ter de se afastar, seja porque um dos dois não vai estar por inteiro na nova relação instaurada – e vai machucar o outro.

O fato é que, quando existem dois (ou mais) corações envolvidos de forma tão contundente, é preciso lançar mão de ferramentas internas como intuição, sensibilidade, ponderação, verdade (muita verdade!) e fé! Sim, fé para confiar na sabedoria da vida, para perceber que ela manda sinais, que ela mostra o melhor caminho. Mas precisamos estar atentos, confiantes e maduros para aceitar, seja o que for que se mostre como o mais razoável para todos.

Assim, se você se apaixonou pelo seu amigo, se sente que está numa situação delicada e corre o risco de perder algo que é tão caro para você, então respire fundo, consulte seu coração, questione-se sobre o que realmente quer e, se sentir que é necessário, fique um tempo de longe, observando, tanto a si mesmo, como a relação e ao outro.

Se chegar à conclusão de que esse novo sentimento é forte demais para ser relevado, e que você quer arriscar, sugiro que você esteja convicto de que vai precisar falar sobre o que sente e, principalmente, ouvir. Ouvir o que seu amigo pensa, sente e quer diante de tudo o que você vai dizer. Depois, convide-o para uma conversa franca e deixe a voz do amor falar.

Aconteça o que acontecer, se os dois conseguirem se respeitar e, acima de tudo, valorizar tudo de bom que já viveram, o final dessa história – seja agora ou daqui há algum tempo – só poderá ser feliz! Só poderá servir para fazê-los crescer! É assim sempre quando duas pessoas enxergam além de si mesmos. Enxergam suas almas!

escrito por

Dra. Rosana Braga Consultora

Consultora de Relacionamento e Comunicação, Palestrante, Jornalista e Autora do livro Faça o Amor Valer a Pena, entre outros.